ANÁLISE POLÍTICA DA SEMANA – 10 DE AGOSTO

100 MIL MORTOS. UMA MARCA TRISTE

Bolsonaro: Perto de 100 mil mortos, Brasil precisa 'tocar a vida ...

As apresentações semanais ao vivo do presidente Bolsonaro, por meio de canal digital, configuram uma estratégia de comunicação moderna e abrangente. Mas, na prática, são geralmente desastrosas.

O Presidente procura impor um clima descontraído às apresentações, o que, a princípio, é interessante. Mas ele se perde ao desconsiderar que é o presidente da República. Nesta circunstância, também faz falta um profissional de comunicação, de forma profissional. Um roteiro seria bem-vindo, assim como alguém para orientá-lo sobre princípios básicos da linguagem não verbal.

BOLSONARO FAZ POLÍTICA

MaisPB • Bolsonaro convida Temer para missão no Líbano

Também acertou ao nomear o ex-presidente Michel Temer, filho de libaneses e político com prestígio entre os políticos no Brasil, como chefe da missão de ajuda a Beirute. Mas esqueceu de consultar a Justiça, pois Michel é réu na LAVA JATO, não pode deixar o país sem autorização. Temer poderá enfrentar uma exposição negativa na mídia.

DARDANÁRIOS, UMA PEDRA NO CAMINHO DE BALDY

Preso pela PF, Alexandre Baldy pede licença da prefeitura de SP ...

A Operação Dardanários mirou esquema de pagamento de propinas a agentes públicos por empresários investigados em desvios no Rio. Achou e prendeu Alexandre Baldy, que foi secretário do Comércio em Goiás (2014). As ações dão conta de dois repasses: R$ 500 mil por destravar pagamentos do governo de Goiás à organização social Pró-Saúde, que administrou hospitais.

Baldy vem se preparando para ser um político de soluções e resultados. Conseguiu chegar ao ministério no Governo Temer e se aproximou de Dória, onde figurava como secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo. Agora, tem a trajetória abalada pela Polícia Federal.

BALDY ESTÁ SOLTO
Para a indignação do senador Jorge Cajurú, o ministro Gilmar Mendes, sempre ele, revogou a prisão do secretário Alexandre Baldy.

PGR x MPF

Fachin revoga liminar de Toffoli que dava a Aras acesso a dados da ...

Com o fim do recesso, o ministro do STF, Edson Fachin, derrubou a decisão de Toffoli, que determinava compartilhamento de dados da Lava Jato com a PGR. A Procuradoria Geral da República já recorreu da decisão e, diante da complexidade da matéria, deve ir a plenário.

A seu favor, Aras usa o argumento que não existem dois Ministérios Públicos. Portanto, os dados devem sim, ser compartilhados. As definições das dimensões das autonomias dos Procuradores pareciam estar claras, mas a contestação do chefe da PGR expõe divergência de compreensão e uma guerra política interna.

DESIDRATANDO O MPF

MPF/MT inaugura nova sede em Sinop nesta quarta-feira (20 ...
Os acordos de leniência foram determinantes para o esclarecimento e devida aplicação do processo penal no curso da Operação Lava Jato. Ainda assim, o Governo acaba de impor regras que ainda carecem de mais esclarecimentos à opinião pública.

A partir de agora, a Controladoria e a Advocacia Geral da União conduzirão a negociação e a celebração dos acordos de leniência, o que antes era feito pelo Ministério Público. Observadores da cena política têm entendido a ação do governo como uma forma de diminuir o poder do MPF.

POLÍTICA DE HIGIENIZAÇÃO

Quem é André Mendonça, o novo ministro da Justiça "terrivelmente ...

Integrantes do Governo sempre souberam que vários servidores têm envolvimento político com adversários de Bolsonaro. Esses sujeitos “prestativos”, de conotação Bolsonarista, usaram a estrutura do ministério da Justiça e Segurança Pública, sob a orientação do ministro André Mendonça, para a produção de dossiês contra pessoas que se manifestam contrárias ao Governo – entre elas, professores e policiais. Agora todos são alvos de investigação no Congresso, no Ministério Público e questionamentos no Superior Tribunal Federal-STF.

Pressionado por parlamentares, o ministro foi ao Congresso na última sexta-feira e, durante uma sessão online fechada, admitiu a existência do que ele prefere chamar de “relatórios de inteligência”, em detrimento do termo “dossiê” que, segundo ele, remete a uma coisa ilegal, segundo informou o jornal O Estado de S. Paulo.

Questões semânticas à parte, o fato é que o responsável pela diretoria de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas – SEOPI, coronel reformado Gilson Libório de Oliveira Mendes, foi demitido.

Durante a reunião, ainda segundo o Estadão, o ministro preferiu usar de eufemismo sobre a demissão do diretor demitido. “Não foi uma demissão política, mas administrativa”, explicou.

ABIN

A ABIN « Inteligência
O presidente Jair Bolsonaro criou, por decreto, uma nova unidade dentro da ABIN. Trata-se do Centro de Inteligência Nacional.
Um grupo de deputados está adotando medidas para tentar anular o decreto.

AS NECESSÁRIAS EXPLICAÇÕES DEVEM SER FEITAS

Defesa de Queiroz vai ao STJ para substituir relator do processo ...

Primeiro o COAF identificou registros de depósitos efetuados por Fabiano Queiroz, na conta da primeira dama Michelle Bolsonaro, que somavam R$ 24 mil. Àquela época, o próprio presidente da República contestou, e disse que “não eram R$ 24 mil, mas sim R$ 40 mil” que ele havia emprestado a Queiroz.
Segundo a revista Crusoé, até agora, os depósitos chegam à marca dos R$ 89 mil, incluindo R$ 17 mil depositados pela mulher de Queiroz, Marcia Aguiar, na mesma conta da senhora Bolsonaro.

A sociedade espera esclarecimentos mais realistas sobre o valor, de fato, dos dito empréstimos que o presidente fez a Queiroz.